Caminho da Verdade

escrito pelo Tadeu Chicol

Nesta época de nos retirarmos de cena e fazermos uma pausa forçada na rotina, diga-se de passagem, parecia mais uma agenda de inúmeras corridas de 100 e 200m tal como Usain Bolt quando nas Olimpíadas, é chegada à hora de nos prepararmos para a grande maratona do Propósito e da nossa verdade interior.

Quantas vezes antes da reclusão, a qual nos foi empurrada goela a baixo, parou-se para pensar em pequenas questões, mas com grande impacto para você, para o outro e para o mundo.

– Porque sou do jeito que sou?
– Porque tenho habilidades específicas que outras pessoas não têm ou talvez tenham, mas não realizam com tanta facilidade e tanta simplicidade como eu?
– Porque estou aqui neste mundo?
– Quem me fez assim? Meus pais, as experiências de vida, o cosmos?

Pode ser que além destas perguntas outras estejam escondidas em baixo do tapete que fingimos não ver enquanto realizamos nossas corridas de 100 e 200m. Enfim não importa, pois num momento sem precedentes nos últimos 30 – 40 anos da humanidade as pessoas puderam estar em contato consigo mesmas e na marra, para olharem para tudo que mais as encanta e mais as aflige no seu interior.

Seus dons, talentos e habilidades, que de uma forma fazem parte do que eu chamo de “caixinha de ferramentas individual e intransferível” são tudo o que você precisa para entregar a si, as pessoas e ao mundo o seu propósito. Dentro de você mora um potencial para fazer deste mundo um lugar melhor e mais justo, o que eu chamo de “caminho da verdade”, mas não da verdade para a sua família, para o seu trabalho, para sua empresa, para seu vizinho; estou falando de um caminho só seu, o mapa do seu verdadeiro tesouro “sua essência” o bem mais precioso que traz consigo nesta existência. Com sua essência, onde moram seus dons, talentos e habilidades, você pode escolher um caminho de fé em você, no outro e no mundo pautado em fazer de cada dia uma lição e também uma grande diversão, falo isto, porque quem trabalha com o que ama, não trabalha, se diverte.

O dinheiro no processo que estamos inseridos atualmente virou objeto de desejo e também objetivo, deixando de lado o mais importante, se divertir com o seu caminho de vida, que é muito mais que a sua profissão ou emprego/empresa que escolheu para investir seu tempo. Escolher viver da sua essência requer coragem e desapego, colocando o dinheiro, que deveria de forma primordial realizar a manutenção da vida, como mera recompensa justa e correta, para transmutação dos seus talentos em bens e serviços de grande valia para a humanidade.

Quando Leonardo da Vinci pintou a Mona Lisa ou a Última Ceia, não estava preocupado se suas obras estariam expostas em galerias suntuosas valoradas a milhões de dólares/euros, pois sua única preocupação era colocar seus dons e habilidades a serviço da humanidade na forma de arte. Que arte você tem dentro de você que você esta negligenciando ao mundo. Quanto tempo passará ainda sem vislumbrar o seu vizinho, sua esposa/marido, seus filhos/parentes, seu bairro, sua cidade, seu país, o mundo ou quem sabe o universo com tudo de maravilhoso que você tem dentro de si.

Já pensou que por sua falta de compreensão do seu propósito, você deixara de inventar a vacina para uma devastadora doença, ou que pudesse deixar de impactar todos a sua volta com seu lindo sorriso, ou que deixasse de levar a esperança que tem na vida para o máximo de pessoas possível. Pense o quanto você pode ser mais feliz e realizado sendo o que nasceu para ser e não para ser o que da para ser. Se não por você, faça pelo mundo, pois assim como o oceano é menor sem uma única gota, o mundo também é menor quando você não é tudo que nasceu para ser.

Existem ferramentas e pessoas engajadas em te ajudar a descobrir tudo de melhor que você pode entregar ao mundo; porém, elas têm pouca responsabilidade sobre o seu caminho, pois se você não exercitar a sua responsabilidade sobre seu caminho de vida, poderá passar o resto dos seus dias pensando em como seria se eu fosse morar em Marrakesh como meu coração sempre pediu, o como seria se eu tivesse aceitado aquele emprego do outro lado do mundo ou como seria se eu tivesse enfrentado minha família e tivesse me casado com aquela pessoa que eles detestavam, mas que eu amava loucamente.

Afinal a vida é muito curta para vivermos com o “e se……….”. Eu não quero esperar ficar velho para pensar no que deixei de fazer por conta de não seguir minha verdade e meu coração; então resolvi escrever este artigo, pois meu coração estava me pedindo loucamente para fazer isto. Manterei também meu foco em escrever todos os dias, ser Coach, Terapeuta, Palestrante, pois é minha missão de existência para mim, para você que esta lendo, para o mundo e para ao Universo, pois, este é meu talento.

Uma ótima existência a todos nós, sendo a cada dia um fio mais forte nesta grande malha do universo.

 

Material criado e fornecido por Tadeu Chicol para o Diário do Palestrante da Base SA. 

 


Diário do Palestrante foi criado para compartilhar com nossos leitores ideias, convicções, artigos e referencias que recebemos de palestrantes cadastrados na Base SA.

 

Quer ver seu material publicado no Diário do Palestrante? Venha fazer parte da Base!

Você também pode gostar dos seguintes conteúdos:

 

Compartilhe nas redes sociais!